void life(void)

Desde que foi publicado na tarde de hoje um post no blog do Rob Weir (um dos membros da delegação americana) tratando sobre mapeamento dos dados binários, já recebi telefonemas e e-mails de colegas que participaram das discussões sobre o tema no Brasil me perguntando o motivo pelo qual o Brasil não apresentou uma proposta para isso lá. Esta foi uma das coisas que nos comprometemos a fazer em Genebra, mas gente… simplesmente não deu.

O mapeamento nada mais é do que um documento que explique como traduzir corretamente os dados armazenados no formato antigo (binários como .doc, .xls e .ppt) para o novo formato proposto (.docx, .xlslx e .pptx). A importância disso é que diversos conversores de documentos poderão gerar documentos mais similares, traduzindo adequadamente os dados antigos para os novos. Além disso, este documento permite a identificação clara de atributos que não podem ser traduzidos (por motivos técnicos) e que precisam ser preservados. Tudo isso faz parte da idéia mais básica do OpenXML, um formato de documentos editáveis (como o ODF) com suporte ao legado (o ECMA alega que este suporte ao legado é o que o diferencia do ODF e por isso torna-o necessário).

Como não posso comentar nenhum detalhe sobre a reunião, não posso explicar os detalhes do  que aconteceu mas tenho o dever de dar uma resposta aos que trabalharam com o tema aqui na ABNT: “Não deixaram o Brasil apresentar sua proposta sobre o mapeamento”.

Não posso contar os detalhes da reunião, mas posso contar uma conversa que tivemos (eu e mais um delegado brasileiro) com uma pessoa no início da pausa para o almoço de sexta feira. Vou divulgar esta conversa pois nosso interlocutor se identificou como sendo membro do ECMA, membro de uma delegação nacional presente no BRM mas não disse que estava falando em nome de ninguém (como é o protocolo lá), e por isso entendo que esta foi uma conversa que não está coberta pela escandalosa “Lei do Silêncio” imposta a todos nós.

Esta pessoa nos procurou dizendo que considera que não deveríamos apresentar nossa proposta que pedia o mapeamento, pois não havia tempo hábil  na reunião (pouco mais de três horas) para escrevermos o documento. Nós dissemos que nossa proposta partia da premissa de que o ECMA já tinha este documento, pois, se justifica a necessidade do OOXML por causa do suporte ao binário e se afirma ainda que existem coisas que não podem ser traduzidas (deprecated), eles devem ter estudado aprofundadamente esta situação e no mínimo ter feito o mapeamento.

Eu nunca vi uma pessoa tão nervosa e envergonhada na minha vida… Ele disse que  a Microsoft deve ter este mapeamento e se nós quisermos, podemos pedir à Microsoft mas não pedir ao ECMA. Disse que o ECMA só foi responsável por criar o novo schema XML e que não têm esta documentação.

Como nossa conversa não ia a lugar nenhum, eu lhe expliquei que o que iriamos propor era o resultado do trabalho de um comitê no Brasil e que infelizmente se ele não pudesse voltar ao tempo e vir ao Brasil contar esta história toda, que teríamos que insistir com nossa proposta.

Fiz questão de contar isso aqui, pois não deixaram o Brasil apresentar a proposta…

Se o ECMA não têm o mapeamento, alguém ai consegue me explicar:

1 - Como eles afirmam que o OpenXML é 100% compatível com o legado ?

2 - Como eles afirmam que o OpenXML não é um overlap 100% do ODF, se não estudaram aprofundadamente o suporte ao legado ?

3 - Como eles afirmam que existem elementos “deprecated” que não podem ser traduzidos para XML e devem ser mantidos?

4 - Como eles fazem o mundo inteiro perder um ano, milhões de dólares e tempo de muita gente que seria mais produtiva fazendo outras coisas para discutir uma proposta dessas, sem que a base mais elementar dela seja sólida ?

Para terminar, como protesto, um trecho de uma música do  Peter Gabriel, sobre Biko:

 ”You can blow out a candle, but you can’t blow out a fire”

Que alívio… Vou dormir minha primeira noite em paz com minha consciência desde sexta feira…

Share/Save/Bookmark

9 Responses to “Afinal: O que fomos fazer em Genebra ?”

  1. Antônio Pessoa

    Seria muito importante que isso chegasse aos ouvidos (olhos neste caso) certos, mas é uma pena que quando se trata de OOXML as “pessoas” envolvidas no caso gostem de fazer vista grossa para alguns “pequenos detalhes”. É um absurdo e me deixa completamente indignado o modo como este processo está sendo levado.

  2. Rafael

    Até que enfim alguém contou alguma coisa da reunião secreta mais falada dos últimos tempos… Parabéns!! Seria legal traduzir isso para o inglês e distribuir para o máximo de pessoas possível hein!!

  3. Software Livre no SAPO » Blog Archive » OOXML: Ecos da BRM

    […] Do Brazil, sabe-se que ficaram verdadeiramente desapontados, uma vez que tinham dedicado muito tempo para analisar uma porção significativa das respostas aos comentários, e dado que não existe um mapeamento entre os formatos binários e o OOXML nem sequer «deixaram o Brasil apresentar sua proposta sobre o mapeamento». […]

  4. OpenXML: De volta ao início | void life(void)

    […] post anterior, demontra claramente que o OpenXML é um enorme overlap com o ODF. Se um membro do ECMA assume que […]

  5. As coisas se complicam para o OOXML « Linux… e mais coisas

    […] representantes brasileiros. E as coisas começaram a aparecer, apesar da lei de :Comecemos pelo post do Jomar onde ele esclarece uma proposta do Brasil para facilitar a aceitação do OOXML, principalmente quanto à questão das famosas questões de […]

  6. “Something wicked this way comes…” « Linux… e mais coisas

    […] Interoperabilidade: existe uma questão relacionada com a falta do mapeamento de binários. Já tratei rapidamente desse assunto no meu blog, mas acho melhor que você vá direto à fonte e entenda melhor essa questão. […]

  7. A sujeira continua a aparecer no OOXML « Linux… e mais coisas

    […] o editor” era simplesmente ignorada“. Ou seja, uma série de fatores que importantes, como a questão do mapeamento de binários entre outros foi simplesmente chutados para escanteio sumariamente. Desse modo, como pode-se […]

  8. Global Voices Online » B-razi-loggers Rage and Roll Against ISO Approval of Microsoft Standard

    […] Portuguese and in English. His reports are providing an inside perspective on the debate. Segundo o post do Jomar que esteve no BRM da ISO, um cidadão chegou nele num intervalo e sutilmente pediu para […]

  9. OpenXML: O que eu ainda não contei sobre o BRM | void life(void)

    […] faz mais de um ano e meio que escrevi sobre os fatos lamentáveis que ocorreram no último dia do BRM do OpenXML, quando a delegação brasileira foi impedida pelo coordenador da reunião (Alex Brown) […]

Deixe seu comentário

Proudly powered by WordPress. Theme developed with WordPress Theme Generator.
Creative Commons License